Arquivo de etiquetas: verbete antropológico

Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande

O livro de Edward Evans-Pritchard, publicado em 1937, sob o título Witchcraft, Oracles, and Magic among the Azande, permanece um dos mais marcantes trabalhos nos estudos antropológicos. Fundamental na validação do modelo etnográfico, este livro resulta de vinte meses de trabalho de campo, realizado no sul do Sudão, entre 1926 e 1929. Trata-se de uma obra de enorme relevo teórico e etnográfico, onde a ideia de «bruxaria» ocupa lugar central ao se tratar de uma categoria vital no quadro da vivência comunitária Azande. Segundo Evans-Pritchard, a crença zande na bruxaria constitui um modelo explicativo para os infortúnios. Ao contrário do postulado pelos fundadores da Antropologia como Lewis Morgan, que viam nas religiões das sociedades não-ocidentais princípios grotescos e fantasiosos, Evans-Pritchard mostra como a bruxaria pertence, na verdade, a um sistema coerente e racial de pensamento e ação, que envolve oráculos, “magia”, “feitiçaria”, entre outros elementos, compondo um modelo explicativo dos acontecimentos objetivos e dos acasos. Cada elemento do sistema (em cadeia) explica e valida o outro. Mesmo nos casos em que ocorrem fracos rituais ou de adivinhação, os mesmos são explicados a partir de um quadro de referências místicas autóctones e idiomáticas.

De um modo geral, os Azande concebem a «bruxaria» como uma condição biológica hereditária que é ativada por estados psíquicos muitas vezes involuntários (impulsos), como sejam a inveja, o ódio, a cobiça, o ciúme, os quais desencadeiam uma série de infortúnios na pessoa visada. Uma vez que tais infortúnios vão das situações mais simples até ao falecimento, o recurso ao oráculo é prática quotidiana, sendo que os vários tipos de oráculo disponível revelam a identidade do bruxo, bem como sanam dúvidas sobre os mais variados assuntos, que de outra forma seriam possíveis de avaliar. Em oposição à «bruxaria» encontra-se a «magia», a qual é um recurso no combate aos males causados pela outra, curando doenças, controlando positivamente a agricultura e a caça (fontes de sustento), bem como atuando como forma de vingança contra os bruxos e feiticeiros identificados nos oráculos. Enquanto a «bruxaria» entre o Azande é involuntária, resultando de impulsos naturais e inconscientes, a «magia» é um ato consciente, uma manipulação dos elementos por via de drogas específicas para cada finalidade e da realização de «encantamentos». Ocorre, ainda, uma outra distinção no plano ritual: a “boa magia”, i.e., aquela socialmente aceite, opõe-se à «feitiçaria», que seria maligna, anti-social e imoral,  pois tem uma intenção deliberada de prejudicar física e economicamente outrem.

Identificando uma lógica racional na «bruxaria» zande, Evans-Pritchard dá um enorme impulso aos estudos do raciocínio nas sociedades chamadas, então, de «primitivas», adiantando-se ao seu antecessor Lucien Lévy-Brühl. A obra traz novos dados e contributos a várias ciências sociais, ao mostrar a dimensão sociológica – conflitos e relações de poder – produzida pelas acusações de «bruxaria» e «feitiçaria», bem como aos estudos da mudança social em contextos coloniais e pós-coloniais.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande," in Adarrum , Abril 28, 2020, https://jfdias.hypotheses.org/611.

A Antropologia Religiosa

A partir das conceções evolucionistas marcantes da viragem do séc. XIX para o séc. XX nasce a etnologia religiosa, partindo daquilo que Albert Marie Bros, em L’Ethnologie religieuse: introduction à l’étude comparée des religions primitives, chama de “factos religiosos observáveis nos povos primitivos” (1923: 15). Esta visão evolucionista das sociedades manteve-se por bastante tempo. Lewis Morgan, tido como um dos pioneiros da Antropologia Religiosa, em La Société Archaique, de 1877, afirma que as crenças religiosas estão ligadas ao domínio da imaginação e da afetividade, sendo, por tal, marcadas pelo princípio da incerteza, motivo pela qual as religiões «primitivas» seriam “grotescas” e “ininteligíveis”.

Apesar de se ter libertado das amarras metodológicas e conceptuais do evolucionismo – entrave determinante à construção de uma visão equitativa das culturas -, a disciplina mantém-se, ainda que já sob a designação de Antropologia das Religiões, como devotada ao estudo das formas religiosas nas sociedades primitivas (Radcliffe-Brown 1945). Não obstante, o funcionalismo britânico com Malinowski, Radcliffe-Brown e Evans-Pritchard) iria marcar a disciplina, ao estabelecer o lugar central dos estudos de campo sistemáticos e rigorosos, alterando o enfoque da origem da religião e o seu contributo para a formação das sociedades humanas, para as funções sociais da religião. Como viria a afirmar Radcliffe-Brown, em resposta a Lewis Morgan, “a função social da religião é independente da sua verdade ou falsidade, e as religiões que achamos falsas ou até absurdas e repugnantes, como das tribos selvagens, podem desempenhar um papel importante e eficaz no mecanismo social” (1945: 231). O funcionalismo, pese a sua relevância na formação de uma modelo etnográfico como base da análise, pecou por se centrar, sobremaneira, na função social da religião, descorando outros aspetos além da sua dimensão de produção social.

Na viragem do pós-segunda guerra, o estruturalismo de Lévi-Strauss centrou o debate sobre a religião no terreno dos aspetos psicológicos e sociais do simbolismo humano. Infelizmente reduziu o significado da religião no seio da Antropologia, ao defender que a importância do seu estudo se resume à inscrição no quadro maior que é o do entendimento do pensamento humano mais geral e das suas “traduções sociais”, i.e., ritos, instituições, etc., a partir das quais se compreender os universais culturais.

As décadas de 1950 e 1960 marcam o esgotamento do interesse pelo estudo das religiões, levando a um discurso de «esgotamento» do tema. Claude Lévi-Strauss chega a afirmar (1974) que a antropologia parecia ter-se afastado dos factos religiosos. Evans-Pritchard (1965), defende que a religião já não tem a mesma importância (central) que tinha para a Antropologia nos seus primórdios, justificando esse desinteresse com um acompanhamento das mudanças sociais, sendo que a antropologia seguia o desinteresse da sociedade pela religião.

A definição 

Entretanto, Roger Bastide (1978), retomando a abordagem de Claude Lévi-Strauss (1974b), numa entrada da Encyclopaedia Universalis, considera que a etnologia religiosa tem por princípio o estudo da diversidade das crenças ou das práticas das etnias umas em relação às outras, sendo que o conhecimento que produz “permanece localizado numa área cultural, num tipo de religião, animista, por exemplo, ou politeísta”, ao passo que a antropologia da religião tem por princípio descobrir as leis gerais do homem enquanto sujeito religioso. Isto significa, portanto, observar a religião a partir de materiais empíricos a fim de produzir modelos teóricos capazes de explicar a natureza humana a partir da sua natureza religiosa.

A Pluralidade 

Em resultado da geografia da disciplina, i.e., do facto desta se ter formulado no Ocidente, entre a Europa e os Estados Unidos, estabelece-se a ilusão de que existe apenas uma antropologia das religiões. É por isso que escreve Luís Batalha, “existe uma antropologia americana, outra britânica, outra francesa, outra chinesa, outra japonesa, outra alemã, etc. Ou, talvez, em cada um daqueles países existam mesmo várias antropologias” (1998: 320). Isto é compreensível na medida em que, como afirma Kishimoto (1961), cada contexto cultural produz a sua própria definição de «religião», o que demanda por metodologias e conceptualizações localizadas que se globalizam no sentido amplo de gerar ferramentas para a disciplina, ao invés de se localizarem conceções globalizadas que tendem a pecar pela incapacidade de se adequarem às realidades em estudo.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "A Antropologia Religiosa," in Adarrum , Abril 28, 2020, https://jfdias.hypotheses.org/607.

O Rito

rito constitui tema central da Antropologia da Religião, constituindo-se, nos termos de W. R. Smith, “a religião antiga na sua totalidade”. Segundo o autor, “primitivamente, a religião não era um sistema de crenças com aplicações práticas, mas sim conjunto de práticas tradicionais fixadas, às quais se submetiam todos os membros da sociedade”. A hipertrofia ritual configura aspeto central nas religiões antigas e de estrutura antiga, como é o caso das religiões de matrizes africanas. Nessa linha, Radcliffe-Brown afirma que as crenças têm um caráter muito mais variável e volátil face ao rito, o qual se apresenta de modo mais consistente e perene, razão pela qual, segundo ele, devem ser os ritos o objeto de estudo privilegiado da disciplina. Para Durkheim, o rito comporta uma dimensão social, tem um caráter de repetibilidade, desempenha uma função específica no interior de uma sociedade. Na esteira de Freud, Malinowski concebe uma dimensão psicológica no ritual, o qual funcionaria como catártico e tranquilizador. Além disso, Malinowski observa uma dimensão «mágica» no ritual, resultante do facto da sua eficácia residir nele próprio, i.e., quando convoca um poder imanente (o mana), distinguindo-se, na sua ideia, da dimensão «religiosa», a qual ocorre quando a sua eficácia depende da intervenção de potências externas ao rito (deuses e espíritos). Marcel Mauss deu um contributo decisivo na abordagem teórica ao rito. Segundo este, o rito é um “ato tradicional” adotado pela coletividade ou por uma autoridade por aquela reconhecida, e que versa sobre coisas concebidas como “sagradas”. Para Mauss o rito tem a função coercitiva de manipular as coisas por via de oferendas e pedidos. Victor Turner, por sua vez, considera que o estudo dos rituais deve ser acompanhado do estudo dos símbolos, afirmando que os símbolos são multívocos, i.e., representam várias coisas ao mesmo tempo. Para Turner, a vida religiosa apresenta características próprias da communitas, tendo “qualidades de passagem”. Enfim, para Turner o ritual é um sistema de símbolos que “armazena saber tradicional”, possuindo um caráter rígido e repetitivo, possuindo uma carga dramática que permite ao grupo superar divisões e reafirmar a unidade.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "O Rito," in Adarrum , Abril 28, 2020, https://jfdias.hypotheses.org/597.