Arquivo da categoria: Antropologia Religiosa

Pensar a Ação Ritual

As noções de ‘eficácia’, ‘manipulação’ e ‘ação ritual’ têm uma forte componente de religiosidade dinâmica. Tais conceções estão patentes nos imaginários africanos, dos quais podemos citar o golfo do Benim e na margem oposta o Brasil. A religião como ‘ação ritual’ (Ferreira Dias 2013, link) compreende uma leitura do fenómeno religioso como integrante do campo social, como parte do todo que é a vida coletiva. Enquanto ‘ação ritual’, a religião é um elemento ativo, propulsor, propiciador, dinamizador mas também destrutor e desrutor. Ou seja, produz sociedade, produz vida (com a saúde, fertilidade, e todas as “coisas boas da vida” (Hallgren)), mas é também fonte de conflitos, através da ação negativa sobre os sujeitos (encantamentos, trabalhos contra outrem). 

Toda esta leitura típica das religiões não-judaico-descendentes e do catolicismo popular, esbarra contra os muros das ortodoxias cristãs. Um curioso exemplo de como as noções de ‘dom’ e ‘conhecimento’ amplamente aceites dentro dos muros de uma vivência religiosa mais conservadora não contemplam contudo a ‘manipulação’ (conquanto esta representa uma transformação do dado social/humano) encontramos na série televisiva Sex & City, quando a personagem Charlotte recorre a uma santeira para compreender as razões para não engravidar mas aceita como “burla” a proposta de resolução do problema através de ‘ação ritual’. Isto é, pois, revelador de uma noção ocidental e conservadora (que a própria personagem estereotipa) de religião e destino como dados inalteráveis, noção essa que não contempla a ideia de manipulação, típica de leituras presentes no catolicismo popular ou religiões de ascendência africana, como é o caso da Santeria presente  ao episódio, uma religião híbrida entre o catolicismo espanhol, as tradições africanas-lukumi e práticas ameríndias.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "Pensar a Ação Ritual," in Adarrum , Janeiro 15, 2014, https://jfdias.hypotheses.org/144.

Religiões Luso-Afro-Brasileiras

A transnacionalização religiosa comporta o deslocamento dos elementos constitutivos de uma identidade cultural para o interior de uma outra, num processo em nada estático, mas antes dinâmico e que tende a relativizar e ressignificar códigos outrora absolutos. Enquanto processo, a transnacionalização opera em simbiose e hibridismo, mesmo nos casos em que há uma notória tensão entre permanência e mutabilidade. Fazendo uso do velho vocábulo marxista, a “luta de classes” está patente neste processo de adaptação a um novo contexto, embora neste caso as classes em causa sejam as dos signos e objetos.

Tratando do campo religioso português e da transnacionalização das religiões afro-brasileiras, a historicidade dos factos revelam uma maior interpenetração da Umbanda ao imaginário português. A «necessidade criativa» que Ismael Pordeus Jr. refere espelha bem este processo de adaptação, ao mesmo tempo que somos confrontados com o caráter plástico das religiões em causa. Reconhecendo a identidade mais mutável por parte da Umbanda – fruto da sua própria codificação teológica – esta tem tido a capacidade de forjar a sua própria «portuguesidade», afirmando-se como uma Umbanda à Portuguesa. Por outro lado, o Candomblé que é uma religião voltada para uma noção de nostalgia e de reafirmação de «africanidade» tem uma menor capacidade de adaptação ao locus religioso português. A praticamente ausente tradição católica, a identidade africana das divindades, a utilização ritual de língua africana e os sacrifícios como modus operandi, dificultam a adaptação do Candomblé a Portugal, num processo não muito diferente do caso alemão estudado por Joana Bahia. Ora, reconhecendo a perda de terreno no mercado religioso português, vários sacerdotes candomblécistas recorrem a estratégias de adaptação, como a valorização de uma figura de um Deus bíblico acima dos Orisas (aproximando o Deus Otiosus da performance ritual), de um sincretismo afro-cristão, e à hibridação com produtos do imaginário popular português como a cartomancia, a vidência ou a mediunidade.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "Religiões Luso-Afro-Brasileiras," in Adarrum , Dezembro 27, 2013, https://jfdias.hypotheses.org/139.

Mediação e Experiência Individual

Os cultos aos Òrìsàs, quer em África quer no Brasil são mediados pelos detentores de poder religioso (aláàse), uma vez que estes são considerados escolhidos para tais funções, e tendo cumprido requisitos iniciáticos que permitem o sacerdócio. Não obstante, vêm aumentando os relatos de experiência mística individualizada do culto aos Òrìsàs, quer em função de uma certa auto-legitimação – a ideia de que se possui um dom que permite dispensar a experiência iniciática e de aprendizado nos terreiros – quer em função de experiências menos conseguidas com determinados sacerdotes. Da perspetiva do Candomblé, da sua própria doutrina, a celebração de atos religiosos individualmente, quer por sujeitos não-iniciados quer por iniciados não sacerdotes, compreende uma rutura com os padrões tradicionais, um atentado à identidade religiosa e um exercício plástico sem valor religioso, i.e., atos sem eficácia.

História das Ideias Religiosas

Representação de Europeus pelos Yorùbá. A História da Arte é também ela (ou deve ser) feita com a História das Ideias Religiosas.

Na análise das religiões, nomeadamente no seio de disciplinas como a Antropologia e no core social das comunidades religiosas, os dados vigentes, quer de natureza litúrgica quer de natureza conceptual (i.e. teológica) tendem a ser tratados como ab initio. Dentro desta perspetiva de intemporalidade e imutabilidade dos padrões de entendimento e formulação sobre o dado religioso operam perigosas assunções quer científicas quer doutrinárias/dogmáticas.

Tomando o campo religioso africano e mais especificamente o Yorùbá como estudo-de-caso, compreendemos que muitas das categorias hoje vigentes e que são commumente tomadas como clássicas e presentes ab initio são na verdade fruto de um labor da mutabilidade história dos contextos religiosos. Tal facto está particularmente presente em matéria do Ser-Supremo (Ferreira Dias, 2011c / link). Mas não somente. Se olharmos os trabalhos científicos e os discursos dos agentes religiosos (espaços que se interpenetram) em relação ao Sistema de Ifá, encontramos uma narrativa linear que não leva em conta que, por um lado o Sistema de Ifá é originário do universo conceptual islâmico, por outro que dessa forma ele não é formulador dos padrões religiosos yorùbá ab initio (vide Ilésanmí, 1993).

Tudo isto para recordar a importância vital do estudo da história das ideias religiosas. Sem tal labor científico é impossível compreender a mutação dos padrões de entendimento e prática religiosa. Será impossível perceber que noções de mediação entre o extra-humano (deuses, deus, ancestrais, etc.) são produto da história das transformações religiosas frutos de encontros, os tais religious encounters que fala J.D.Y. Peel (2000). Será impossível compreender que o Ser-Supremo é um produto histórico para além de um dado doutrinário vigente. Será impossível compreender que a Religião Tradicional Africana é na verdade uma religião neo-tradicional porquanto resulta de um processo de formulação pós-Império Yorùbá (Ferreira Dias, 2011e). A história das ideias religiosas é a narrativa das transformações, das mutações, das interpenetrações que transformam os dados religiosos ao longo dos tempos e que lhe vão conferindo uma falsa ilusão de imutabilidade que importa tomar no discurso científico.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "História das Ideias Religiosas," in Adarrum , Agosto 27, 2013, https://jfdias.hypotheses.org/69.

Iliteracia Religiosa


Os autos de fé já não são prática na Europa, mas isso não implica que a religião seja ainda um desconhecido

Depois de passar quatro dias convivendo com diferentes credos aprimorou-se, em mim, de modo mais claro e definitivo a consciência de que a religião enquanto parte da identidade do “outro” permanece como um mistério que levanta problemas à experiência de alteridade, pelo menos quando se olha com esperança para a alteridade enquanto processo construtivo. Sabendo que parte significativa das identidades religiosas, mutatis mutandi, assentam num sentimento de universalismo, messianismo, evangelização, salvação e “verdade”, o “outro” surge invariavelmente como “o infiel”, “o perdido”, “o condenado”, entre outras adjetivações e categorizações. Esta perspetiva, que tem por base o pressuposto da detenção da “verdade” (enquanto dado de uniqueness) corrobora a tendência para a demonização do diferente, categorizando-o, inclusive, como inimigo. Aqui reside a base das “guerras santas”.

Por outro lado, quer nos meios de comunicação social quer na literatura passim, o fenómeno religioso, praticamente sobre todas as suas formas excetuando aquelas que dizem respeito ao background histórico-cultural de cada sociedade, surge desprovido de enquadramento histórico, dogmático, e despido de seus próprios códigos identitários. Lato sensu o fenómeno religioso é tratado como pitoresco, o que resulta de uma deformação do olhar e de uma impreparação científica e ausência de sensibilidade para tratar o facto.

Neste sentido, entramos na questão da iliteracia religiosa. Em primeiro lugar, a iliteracia religiosa diz respeito ao fenómeno religioso constituinte da identidade própria dos sujeitos. Ou seja, no caso português, ex vi da própria história social marcada pelo avanço da laicidade, boa parte dos portugueses tem um conhecimento parcelar da religiosidade católica em Portugal, ficando-se essencialmente pelo popular e desconhecendo o ortodoxo/institucional. A iliteracia religiosa avança à medida em que a abordagem vai saindo da esfera do corrente. O fenómeno religioso torna-se um pressuposto exótico e o desconhecimento torna-se descrença, intolerância, desrespeito e condenação.

In pari causa a iliteracia religiosa está patente quer nos sujeitos não-crentes quer nos devotos de determinada confissão religiosa. Nota-se, nestes últimos, um conhecimento fundamentado em torno dos absolutismos doutrinários mas um desconhecimento abrupto em torno da história da sua confissão religiosa e uma incapacidade de aplicação da hermenêutica na leitura do fenómeno em causa. A iliteracia religiosa não diz apenas respeito ao desconhecimento de determinado movimento ou fenómeno religioso, diz respeito aos próprios devotos desse dado social. Ipso facto, a iliteracia é um bom combustível para as crispações religiosas e para a manutenção de descrédito popular face a determinado movimento religioso. À medida em que se aborda a questão da tolerância (conceito atroz) vai-se esquecendo a questão da iliteracia, problemática que tem o condão de produzir um continuum histórico de confrontos e atitudes desrespeitosas.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "Iliteracia Religiosa," in Adarrum , Agosto 3, 2013, https://jfdias.hypotheses.org/77.