Iliteracia Religiosa


Os autos de fé já não são prática na Europa, mas isso não implica que a religião seja ainda um desconhecido

Depois de passar quatro dias convivendo com diferentes credos aprimorou-se, em mim, de modo mais claro e definitivo a consciência de que a religião enquanto parte da identidade do “outro” permanece como um mistério que levanta problemas à experiência de alteridade, pelo menos quando se olha com esperança para a alteridade enquanto processo construtivo. Sabendo que parte significativa das identidades religiosas, mutatis mutandi, assentam num sentimento de universalismo, messianismo, evangelização, salvação e “verdade”, o “outro” surge invariavelmente como “o infiel”, “o perdido”, “o condenado”, entre outras adjetivações e categorizações. Esta perspetiva, que tem por base o pressuposto da detenção da “verdade” (enquanto dado de uniqueness) corrobora a tendência para a demonização do diferente, categorizando-o, inclusive, como inimigo. Aqui reside a base das “guerras santas”.

Por outro lado, quer nos meios de comunicação social quer na literatura passim, o fenómeno religioso, praticamente sobre todas as suas formas excetuando aquelas que dizem respeito ao background histórico-cultural de cada sociedade, surge desprovido de enquadramento histórico, dogmático, e despido de seus próprios códigos identitários. Lato sensu o fenómeno religioso é tratado como pitoresco, o que resulta de uma deformação do olhar e de uma impreparação científica e ausência de sensibilidade para tratar o facto.

Neste sentido, entramos na questão da iliteracia religiosa. Em primeiro lugar, a iliteracia religiosa diz respeito ao fenómeno religioso constituinte da identidade própria dos sujeitos. Ou seja, no caso português, ex vi da própria história social marcada pelo avanço da laicidade, boa parte dos portugueses tem um conhecimento parcelar da religiosidade católica em Portugal, ficando-se essencialmente pelo popular e desconhecendo o ortodoxo/institucional. A iliteracia religiosa avança à medida em que a abordagem vai saindo da esfera do corrente. O fenómeno religioso torna-se um pressuposto exótico e o desconhecimento torna-se descrença, intolerância, desrespeito e condenação.

In pari causa a iliteracia religiosa está patente quer nos sujeitos não-crentes quer nos devotos de determinada confissão religiosa. Nota-se, nestes últimos, um conhecimento fundamentado em torno dos absolutismos doutrinários mas um desconhecimento abrupto em torno da história da sua confissão religiosa e uma incapacidade de aplicação da hermenêutica na leitura do fenómeno em causa. A iliteracia religiosa não diz apenas respeito ao desconhecimento de determinado movimento ou fenómeno religioso, diz respeito aos próprios devotos desse dado social. Ipso facto, a iliteracia é um bom combustível para as crispações religiosas e para a manutenção de descrédito popular face a determinado movimento religioso. À medida em que se aborda a questão da tolerância (conceito atroz) vai-se esquecendo a questão da iliteracia, problemática que tem o condão de produzir um continuum histórico de confrontos e atitudes desrespeitosas.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "Iliteracia Religiosa," in Adarrum, Agosto 3, 2013, https://jfdias.hypotheses.org/77.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.