Fazer História Das Religiões


FAZER HISTÓRIA das Religiões parece conter em si a preposição do levantamento historiográfico do percurso institucional de uma determinada organização de fé. E foi de facto esse o caminho trilhado pela disciplina até à Segunda Guerra Mundial (Bethencourt, 2009). Obviamente que tal roteiro tem pouco de dinâmico e de razoável conhecimento de conteúdo, contentando-se com a arquitetura dos edifícios religiosos. Por essa mesma razão, o nascimento das ciências sociais como a antropologia e a sociologia, trouxeram uma nova energia ao estudo das religiões, porquanto foram capazes de procurar a vivência do religioso nas suas formas populares. Esta abertura foi sem dúvida essencial se levarmos em conta que o tratado da religiosidade de faz na dialética entre ortodoxia e vivido. O sujeito religioso (homo religious) experiencia a fé institucionalizada de forma amplamente diferente das regras doutrinárias, sabendo que o vivido e o experimentado não é cristalino nem cristalizável. As diferentes formas populares de vida religiosa, como as procissões, as romarias, as festividades profanas-sagradas, influenciam determinantemente a conceção sobre o divino, tendo sempre presente que as crenças populares orientam grande parte da religiosidade popular, afastando o sujeito da instituição. Apesar desse religioso à solta não ser o mesmo do fechado na doutrina, não é de somenos importância, porquanto o religioso se entende no vivido popular.

ISTO LEVA-NOS rumo ao problema quer da metodologia quer do objeto da história das religiões. O método comparativo foi e continua a ser um dos mais utilizados no estudo científico das religiões, ao propor o encontro dos conceitos-padrão do fenómeno religioso, apesar do sucesso académico da filosofia das religiões. Isto coloca o problema da classificação da história das religiões dentro do campo académico, quer pela definição de um método quer pela enunciação de um objeto. Portanto, importa saber – para o garante do futuro da disciplina – qual a roupagem científica que deverá vestir. Deverá posicionar-se como uma disciplina independente ou como auxiliar de outra disciplina das ciências sociais?

© imagem Wikipedia

Cite this article as: João Ferreira Dias, "Fazer História Das Religiões," in Adarrum , Agosto 1, 2013, https://jfdias.hypotheses.org/71.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.