História das Ideias Religiosas

Representação de Europeus pelos Yorùbá. A História da Arte é também ela (ou deve ser) feita com a História das Ideias Religiosas.

Na análise das religiões, nomeadamente no seio de disciplinas como a Antropologia e no core social das comunidades religiosas, os dados vigentes, quer de natureza litúrgica quer de natureza conceptual (i.e. teológica) tendem a ser tratados como ab initio. Dentro desta perspetiva de intemporalidade e imutabilidade dos padrões de entendimento e formulação sobre o dado religioso operam perigosas assunções quer científicas quer doutrinárias/dogmáticas.

Tomando o campo religioso africano e mais especificamente o Yorùbá como estudo-de-caso, compreendemos que muitas das categorias hoje vigentes e que são commumente tomadas como clássicas e presentes ab initio são na verdade fruto de um labor da mutabilidade história dos contextos religiosos. Tal facto está particularmente presente em matéria do Ser-Supremo (Ferreira Dias, 2011c / link). Mas não somente. Se olharmos os trabalhos científicos e os discursos dos agentes religiosos (espaços que se interpenetram) em relação ao Sistema de Ifá, encontramos uma narrativa linear que não leva em conta que, por um lado o Sistema de Ifá é originário do universo conceptual islâmico, por outro que dessa forma ele não é formulador dos padrões religiosos yorùbá ab initio (vide Ilésanmí, 1993).

Tudo isto para recordar a importância vital do estudo da história das ideias religiosas. Sem tal labor científico é impossível compreender a mutação dos padrões de entendimento e prática religiosa. Será impossível perceber que noções de mediação entre o extra-humano (deuses, deus, ancestrais, etc.) são produto da história das transformações religiosas frutos de encontros, os tais religious encounters que fala J.D.Y. Peel (2000). Será impossível compreender que o Ser-Supremo é um produto histórico para além de um dado doutrinário vigente. Será impossível compreender que a Religião Tradicional Africana é na verdade uma religião neo-tradicional porquanto resulta de um processo de formulação pós-Império Yorùbá (Ferreira Dias, 2011e). A história das ideias religiosas é a narrativa das transformações, das mutações, das interpenetrações que transformam os dados religiosos ao longo dos tempos e que lhe vão conferindo uma falsa ilusão de imutabilidade que importa tomar no discurso científico.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "História das Ideias Religiosas," in Adarrum , Agosto 27, 2013, https://jfdias.hypotheses.org/69.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.