O conceito de “coisas boas da vida” no imaginário africano

Rolland Hallgren intitula o seu mais importante trabalho como The Good Things in Life, resumindo, dessa forma, todo o manual conceptual das religiões africanas. Ainda que aquela obra seja elaborada a partir da geografia cultural yorùbá, o autor bem refere que a tipologia das religiões africanas difere fortemente das religiões do Ocidente, seguindo o roteiro de Evan Zuesse [1]. Segundo a proposta teórica deste último, distinguem-se as “religiões de estrutura” e “religiões de salvação”. A estas últimas correspondem as religiões assentes em valores, como pecado, rendição e graça divina, ocorrendo uma relação de fé face a um ser-supremo cuja magnificência permitirá a salvação da alma rumo a um espaço inteligível, geralmente celestial, concebido como um paraíso e que se opõe à existência terrena, tornando-se, assim, religiões de projeção para o «além», nas quais os sujeitos são incitados a uma série de condutas morais e expiação de faltas a fim de garantirem o acesso ao “reino dos céus” na condição post-mortem. Ora, se as “religiões de salvação” são religiões pensadas para “além da vida”, as “religiões de estrutura” dizem respeito à dinâmica do quotidiano, às estruturas sociais e políticas. Como Hallgren recorda, são religiões voltadas à fertilidade, mas também à saúde, ao bem-estar, ao conforto e à prosperidade. Em rigor, o conceito de prosperidadeparece resumir o conjunto de fatores enunciados, uma vez que a fertilidade, a saúde, o conforto e o bem-estar dizem respeito à providência religiosa, à capacidade de manipulação [2] dos seres religiosos a fim de obtenção de um estado de prosperidade (, em língua yorùbá).

Assim, as “coisas boas da vida” configuram o cerne da ação religiosa, quer individual, quer coletiva [3]. Enquanto metáfora para «prosperidade», aquelas representam o resultado da “providência divina”, a qual depende não da expiação de culpas ou da observação de uma determinada moral, mas antes do cumprimento de atos rituais que “negociem” com os seres religiosos, estabelecendo uma clássica relação de dependência [4] eterna, pois cada pedido demanda por um ofertório e cada ofertório permite a invocação de um pedido.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "O conceito de “coisas boas da vida” no imaginário africano," in Adarrum , Abril 28, 2020, https://jfdias.hypotheses.org/590.


[1] ZUESSE, Evan M., Ritual Cosmos: The Sanctification of Life in African Religions, Athens, OH, Ohio University Press, 1979.

[2] FERREIRA DIAS, João, A religião se faz com a colheita da terra: problematização concetual de “religião” em África e o caso yorùbá”, Etnográfica17 (3), 2013, pp. 457-476.

[3] a ideia de religião civil e grandes costumes será objeto de referência noutro post.

[4] MAUSS, Marcel, Essai sur le don forme et raison de l’échange dans les sociétés archaïques, Paris: Presses Universitaires de France, 1925.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.