Antropologia e Processo Face ao Outro

BGFHFTHFundacionalmente, a antropologia religiosa alicerça-se na tradição dos estudos comparativos entre as culturais ocidentais e as não ocidentais, em matéria particular de sistema de crenças, a partir do séc. XIX, altura em que as concepções evolucionistas marcam a metodologia de análise. A emergência da «etnologia religiosa» assentou nos “factos religiosos observáveis nos povos primitivos” (Bros 1923: 15).
Na década de 1970, com Lévi-Strauss, e com Roger Bastide, prepara-se a distinção entre antropologia, etnologia e etnografia religiosas. Segundo o último, a etnologia religiosa centra-se na comparação das práticas e crenças religiosas entre grupos étnicos, ao passo que a antropologia religiosa se preocupa com o universal religioso, i. e., as “leis gerais do Homo religious” (1978).
Interessa notar que no interior da academia o background cultural ocidental tendeu a permanecer muito depois do fim do evolucionismo e do racismo como teorias sobre o humano. Veja-se Lewis Morgan, um dos pioneiros da antropologia enquanto disciplina: “as crenças religiosas estão de tal modo ligadas ao domínio da imaginação e da afectividade e, por isso, assentes em conhecimentos tão incertos que todas as religiões primitivas são grotescas e, em certa medida, ininteligíveis” (1985: 3-4). De fora ficaram as designadas «religiões do Livro», passando a perigosa leitura de que tais assentam em verdades claras e imperturbáveis.
Seria o funcionalismo britânico com Malinowski, Radcliffe-Brown e Evans-Pritchard a trazer a base empírica mais fiável que o pensamento evolucionista, com os trabalhos de campo sistemáticos, observando as suas funções sociais em detrimento das verdades ou falsidades, ou das origens/raízes da religião. Sem margem de dúvida, a história da antropologia está intimamente ligada à descoberta de novos mundos, à evangelização e ao colonialismo. Com efeito, o encontro com as culturas não ocidentais está intimamente impregnado de quadros ideológicos, em particular o etnocentrismo e o teocentrismo, como refere Mondher Kilani (1996). Ou seja, a percepção da diferença (alteridade) faz-se a partir das concepções, culturais e religiosas, dominantes do observador.

(imagem: via google / foto Pierre Verger)

Cite this article as: João Ferreira Dias, "Antropologia e Processo Face ao Outro," in Adarrum , Julho 8, 2013, https://jfdias.hypotheses.org/29.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.