Xangô, um deus em mutação

O deus da cidade de Òyó tem sido objeto de inúmeras alterações míticas e identitárias. Desde a islamização da cidade no séc. XIV que o divindade tutelar da cidade se tornou símbolo de relação entre religião autóctone e islamismo. Sàngó é hoje considerado de ascendência islâmica-hausá, razão pela qual não lhe é ofertado carneiro. No Brasil, em função das ligações entre Aganju e a Egbé Ogboni, da formação do Candomblé da Barroquinha com a agência de Ìyánásò Oká e Bámgbósé Obitikò e as próprias condicionantes da escravatura, Sàngó perde o papel de referência como símbolo de poder representando a figura de o Imperador de Òyó para se tornar no deus da justiça.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.