Lendo Cartas de Mãe Aninha


Da leitura das 21 cartas e um telegrama de Mãe Aninha a suas filhas Filhinha e Agripina, entre 1935 e 1937, mais do que se conhecer detalhes do Candomblé da época ou das andanças do Axé Opô Afonjá do Rio de Janeiro, o que se fica é com uma noção dos padrões de pensamento religioso de um tempo. Na longa marcha do Candomblé, 100 anos depois da fundação da Casa Branca do Engenho Velho, o sincretismo religioso havia cumprido a sua missão. Da leitura das missivas de Mãe Aninha é possível subtrair uma verdadeira justaposição entre o catolicismo e o imaginário Yorùbá. Não se trata apenas de uma crença num Deus bíblico, há todo um manual religioso que, não houvessem as referências a “obrigações” perante os Òrìsà, e poderia, facilmente, pensar-se Eugênia Anna dos Santos se tratar de uma mãe preocupada, acometida por um problema de saúde num pé, e extremamente católica. Não é, pois, de todo descabido assumir que Mãe Aninha era uma mulher extremamente devota e de cujas missivas dificilmente se subtrai quando esta se refere aos Òrìsà ou aos santos do catolicismo. Merece reparo ainda a referência a “Deus e os seus símbolos”, numa clara apropriação de um pensamento simultaneamente católico e herdeiro do universo de Ifá.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.