Pensar a Ação Ritual

As noções de ‘eficácia’, ‘manipulação’ e ‘ação ritual’ têm uma forte componente de religiosidade dinâmica. Tais conceções estão patentes nos imaginários africanos, dos quais podemos citar o golfo do Benim e na margem oposta o Brasil. A religião como ‘ação ritual’ (Ferreira Dias 2013, link) compreende uma leitura do fenómeno religioso como integrante do campo social, como parte do todo que é a vida coletiva. Enquanto ‘ação ritual’, a religião é um elemento ativo, propulsor, propiciador, dinamizador mas também destrutor e desrutor. Ou seja, produz sociedade, produz vida (com a saúde, fertilidade, e todas as “coisas boas da vida” (Hallgren)), mas é também fonte de conflitos, através da ação negativa sobre os sujeitos (encantamentos, trabalhos contra outrem). 

Toda esta leitura típica das religiões não-judaico-descendentes e do catolicismo popular, esbarra contra os muros das ortodoxias cristãs. Um curioso exemplo de como as noções de ‘dom’ e ‘conhecimento’ amplamente aceites dentro dos muros de uma vivência religiosa mais conservadora não contemplam contudo a ‘manipulação’ (conquanto esta representa uma transformação do dado social/humano) encontramos na série televisiva Sex & City, quando a personagem Charlotte recorre a uma santeira para compreender as razões para não engravidar mas aceita como “burla” a proposta de resolução do problema através de ‘ação ritual’. Isto é, pois, revelador de uma noção ocidental e conservadora (que a própria personagem estereotipa) de religião e destino como dados inalteráveis, noção essa que não contempla a ideia de manipulação, típica de leituras presentes no catolicismo popular ou religiões de ascendência africana, como é o caso da Santeria presente  ao episódio, uma religião híbrida entre o catolicismo espanhol, as tradições africanas-lukumi e práticas ameríndias.

Cite this article as: João Ferreira Dias, "Pensar a Ação Ritual," in Adarrum , Janeiro 15, 2014, https://jfdias.hypotheses.org/144.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.